quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Sexta tem Sarau!!!

Convocamos toda a massa pra sexta feria colar no nosso 1º Sarau na Emef Morro Grande, Espaço Cultural do Morro, venha preparado e armado de Rimas, poesia, musicas, danças ou encenações! Espaço aberto para protesto e diversão!


Dia 02 de Outubro, Inicio as 19hs.
Local: Emef Morro Grande
Rua Xavier da silva Ferrão, S/nº
Próximo a Escola Solimeo,
Final da rua Parapuã
*Imagem Blog do Poeta Fuzil

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Feira Cultural na EMEF Jd Guarani Trás a África Para a Escola

No dia 26/09 (Sábado), participamos da famosa feira cultural (Trabalho desenvolvido por quase todos os espaços escolares), porém para nós esta feira foi especial, primeiro porque todos os trabalhos apresentados pelos educandos na feira, foram baseados na influência e cultura Africana em nosso país, nós do Coletivo ficamos muito felizes, pois se trata de uma escola que há dois anos recebe e hospeda o projeto "Escola da África", entendemos que foi um enorme avanço mobilizar uma escola, seus professores e corpo docente, para pensar no assunto, e mais que isso colocar na pratica. Foram exposições sobre os Orixás, comidas afro-brasileiras, jogos africanos, capoeira, mistérios do Egito, entre outras coisas. Parabenizamos a Direção, professores e Coordenação Pedagógica pelo trabalho! Asè

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Israel (Réu) Recebe Prêmio Jovem Brasileiro


No dia 15/09 (Terça-Feira), Israel Neto, recebeu o 8º Prêmio Jovem Brasileiro, realizado pela Agencia Zapping, na area Social/Cultural. Numa Noite de Gala no Memorial da América Latina, o trabalho de Israel e do coletivo "Literatura Suburbana" foi contemplado. A entrega do Prêmio foi regado de emoção e diversidade de categorias, alguns famosos também receberam o prêmio na categoria Musica, TV e Moda. A Festa foi comandada pelo Aprentador Marcelo Tas!Agradecemos a organização do prêmio pela condecoração e a todos parciros e amigos. Um Brinde a Resistência!http://www.premiojovem.com.br/





segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Produção Suburbana no Theo Dutra

Salve rapá, continuando as oficinas do projeto Produção Suburbana, as oficinas tem acontecido esse mês na EMEF Theo Dutra, com a turminha da 7ª e 8ª Series, o oficineiro Anderson tem ministrado a oficina, Dei uma visita nesta oficina, na segunda (14/09/09)! Trabalhamos a literatura de cordel!
Bem mais uma turma que vai dar o que falar! Força pra nós, trabalho cultural não pode parar!

Nossa Escola
(Débora Soares e Marcella Fabiano)


Essa é a nossa escola
Aqui nós não jogamos bola
Nem pensamos em Namorar
Viemos pra Estudar

Ter um pouco de conhecimento
E um mundo receber
Por que antes de ensinar
Nós queremos aprender

Apesar de sermos diferentes
Temos algo em comum
De transformar todos os tipos
Em apenas Um...


segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Poetas Suburbanos...

A Coletanea "Poetas Suburbanos" está já na sua 3ª edição, mas não divulgamos aqui os poetas da 2ª edição, segue ai alguns textos dos poetas suburbanos (copiem e divulguem a vontade, claro citando a fonte)...


*Poema Feminino*
Anna Carolina






*Que mulher nunca teve**
*Um sutiã meio furado,
* *Um primo meio tarado,
* *Ou um amigo meio viado?**
*Que mulher nunca tomou**
*Um fora de querer sumir,
* *Um porre de cair*
*Ou um calmante para dormir?****
*Que mulher nunca sonhou**
*Com a sogra morta, estendida, *
*Em ser muito feliz na vida*
*Ou com uma lipo na barriga?**
*Que mulher nunca penou**
*Para ter a perna depilada,
* *Para aturar uma empregada
* *Ou para trabalhar menstruada?*
*Que mulher nunca comeu*
*Uma caixa de Bis, por ansiedade,
*Uma alface, no almoço, por vaidade
* *Ou, um canalha por saudade?**
*Que mulher nunca apertou**
*O pé no sapato para caber,
* *A barriga para emagrecer*
*Ou um ursinho para não enlouquecer?**
*Que mulher nunca jurou **

À volta para casa
Patrícia Novaes

Chchchchchchchhchchchchchchcchchchchchchchchchchchchchchchchchchchchchchchchchc.- Psiu, você não vai se levantar daí, não? Não percebe que tem uma senhora gestante em pé, rapaz?- Pode ficar, senhora.- Obrigada filho.- Mano, meu pé, véio. Ce tá cego, cara?- Foi mal, foi mal.- Ai, essas mochilas nas costas, viu? Parece que não vê o quanto atrapalha.- Dá para alguém abrir essas janelas, por favor? É incrível, mas quando chove, as pessoas perdem a noção sobre a importância do ar circulando, né?- Rsrs.- Buááááaááá´, buáaáááááá´...- Calma, meu bem, já vamos descer. Já vamos.- Motorista, meu amigo, tem como parar na esquina para eu descer com a minha compra de supermercado?- Mil perdões, senhor, mas não posso parar fora do ponto.- Trim,trim,trim...- Alô!- Oi amor, onde você está?- Estou chegando, beijos, thau.- Rsrsr...
Hoje eu demorei um pouco mais para chegar em casa, pois o trânsito me fez observar com mais carinho outros lutadores como eu. Cada um com suas alegrias e tristezas, mas com algo em comum: a vontade de chegar logo onde existe o maior e melhor abraço e o calor dos que mais nos amam.

Favelado que Conspira
Regicida

Luxo e riqueza é tudo ilusão
Armadilha construída pra pegar nossos irmãos

Os Pretos e as Pretas Vestindo social
Gerenciando a filial de uma multinacional
Não só servindo na mesa ou faxineira de empresa
Que só pode entrar no prédio pela porta de serviço

Ter um carro do ano, avião Particular
Escritório na “Berrine” e uma mansão como lar
Ter lucro financeiro na bolsa de valores
Ações em Nova Yorque na Nasdaq ou em Tóquio

Tudo isso é feito tipo castelo de areia
Sociedade racista minha cultura discrimina
Não vai ser um Obama que vai me convencer
Que os Pretos estão unidos, prontos para vencer!

Pro Preto Favelado não tem muita opção
Sem estudo, sem trabalho ele vai virar ladrão
O sonho do Moleque era ser o dono do morro
Ou sustentar a Goma vendo o boy pedir socorro

A Preta esquecida dentro do barraco
Não sabe se um dia vai sair do buraco
Problema pra Caralho, não tem nenhum sossego
A dispensa tá vazia e continua sem emprego

Estrada construída, planejada e bem feita
Que nos leva ao extermínio
Se na quebrada não tem hospital, creche, nem biblioteca
Teatro ou cinema, as vezes nem o campinho de terra

Lazer, cultura e saúde, pouco são incentivadas
Ignorância, Pão e Circo direcionado para as massas
Nosso Controle e passividade vê, através de algumas coisas
Orkut, Boteco e Igreja tiram as nossas forças

Violento é o Estado que me empurra pro crime
Me empurra pras drogas, vai ver onde a gente mora!
Moramos nos barracos, nas ruas cheias de barro
Sem escola que ensinem o que realmente é pensar.

Quase nenhuma que eu conheço incentiva a estudar
Sem estudo, sem escola aumenta a dificuldade,
Mas pra frente cobram os manos, querem que tenham faculdade
Mercado de trabalho, diz que não temos capacidade

A falta do que comer me dá motivos pra escrever
A panela cheia de ar barriga roncando alto
Aí Boy cala a boca, se um dia eu for pro arregaço
Passar fome não é opção ninguém escolhe ser ladrão
Apologia a miséria eu deixo pros look,
A gente quer é ver o povo no suporte.
Suporte pra viver, sem precisar se arrastar
Debaixo da catraca pra cidade atravessar

Preso, capado, isolado no gueto periférico,
Não vou seguir o caminho do pensamento Maquiavélico
Nasci pra ser escravo, analfabeto funcional
Não ter noção de política, mais um marginal

Trancado lá na ilha ou morto na mão da Policia
Mão de obra barata que não sabe de nada,
Quebrando com tudo isso aprendi o que é pensar
Sangue nos óio, auto-didata, o livro é minha arma!

O Punk me mostrou como Lutar
E com isso eu comecei a me IMPORTAR
Conheça ou outros poetas (Tatiana Silva, Marcos Dalama, Juninho 13 e Alesandra Aguiar)
Adquira o Livreto por R$1,00 pelo telefone 88479565!!!
Asè